tea Road | 20 de outubro de 2020 | por Daniela Souza

Muito se fala sobre o aumento da produtividade. Há uma imperatividade por produção sem fim. É necessário que sejamos produtivos no mínimo de tempo (im) possível. Difícil, não é?! A conta parece não fechar: como produzir mais em menos tempo? Não existe uma fórmula mágica, mas podemos pensar em modos para produzir melhor e otimizar nosso tempo. Nesse sentido, buscamos dissociar a produção e o tempo de fatores quantitativos, olhamos menos para os números e mais para a qualidade. Alguns rituais tornam o trabalho mais prazeroso, leve e confortável. Direcionar nossa energia para determinadas atividades, em momentos certos, pode influenciar todo o nosso dia e potencializar nossa capacidade criativa e produtiva.

Nesse texto, apresentamos 4 rituais que podem te ajudar a ter um bom dia de trabalho!

o SILÊNCIO

Você consegue ficar confortável em silêncio? Conseguir ficar em silêncio é muito importante para o desenvolvimento do nosso processo produtivo. Ficar em silêncio, de verdade, é diferente de ficar quieto. Ficar em silêncio não significa não vocalizar nada, e sim, não se comunicar. Não receber informações ou estímulos e, também, não os produzir. Se você não está lendo, digitando, assistindo, ouvindo ou consumindo conteúdo, sua mente cria. Isso acontece porque sua mente tem tempo para processar e absorver as informações que você recebe e transformá-las em algo novo. Se você só acumula conteúdo, consumindo ininterruptamente, em alguma medida, ele se perde e não é aproveitado. Que tal tomar um chá enquanto você fica completamente em silêncio por alguns minutos?

o essencialismo

Você escolhe com cuidado as atividades que vai realizar no dia ou apenas vive o momento? Se você é do time que determina criteriosamente em que investir seu tempo, você pode ser um essencialista. Aproveitar bem o tempo e a energia, dedicando-os às metas e prioridades é uma estratégia muito eficiente para produzir melhor. Cada pequena atividade do dia finalizada mostra que você está mais perto de cumprir sua meta, entregar um trabalho ou finalizar uma demanda, causando uma sensação de vitória, satisfação e bem-estar. Dar “check” ou riscar obrigações de listas tornam o processo produtivo confortável e mais assertivo. Organizar seu tempo em micro tarefas e delinear atividades específicas para cada momento do seu dia pode ser um ritual rápido e bem simples. Você pode fazer à mão ou aproveitar aplicativos para se organizar, como o Microsoft To Do.

as Pausas

Você almoça na frente do computador? Responde mensagens de trabalho enquanto entre uma garfada e outra? Se você faz isso, precisa conhecer o maravilhoso mundo das pausas. Pausas são autocuidado. São uma atenção que você dá para o seu corpo quando não está trabalhando. O que acontece se você não pausa a produtividade para olhar para si? Se você não para, então, seu corpo para você. É assim que chegamos ao meio da tarde com aquelas dores de cabeça sem explicação, que fazem nossa produtividade ir caindo e diminuem nosso tempo de trabalho com qualidade. Se você divide o seu dia em blocos de tempo, entre eles estão as pausas. Aproveite para se olhar no espelho, se alongar e respirar fundo algumas vezes. É nessa hora que você descarrega, se livra de todo o stress do trabalho e se recarrega.

a experiência

Quantas horas por dia você passa trabalhando? Oito? Dez? Lojas de colchão costumam dizer que passamos um terço (1/3) da vida deitados em nossas camas e isso os ajuda a vender. Já pensou que você passa também um terço (1/3) ou mais da sua existência trabalhando? Em tempos de home office improvisado, pós isolamento social, isso pode significar trabalhar na cama ou no sofá com o notebook no colo, sentar-se à mesa de jantar, andar pela casa falando ao telefone, certo? Assim como dormir, trabalhar também precisa ser uma experiência positiva, confortável e tranquila. Então, crie um ritual de trabalho que inclua: um lugar confortável e ergonômico, uma iluminação adequada, distrações bloqueadas e uma musiquinha ambiente ou silêncio, se você preferir.  Crie um clima para que você possa se apaixonar pelo processo produtivo, já que ele é uma parte considerável da sua vida. Nesse contexto, cabe citar o escritor Eric Thomas:

Apaixone-se pelo processo e os resultados virão.

Esses são apenas alguns rituais que podem tornar seu dia mais leve. Seu dia pode ficar ainda mais gostoso com um chá Tea Road! Vem conhecer!

Tea Road | 01 de outubro de 2020 | por Daniela Souza

Quando vemos a lua cheia bem bonita, muitas vezes nossa primeira atitude é tentar fotografá-la, missão bastante difícil, não é verdade? Em tempos digitais, postamos e mostramos tudo o que nos toca. E o resultado disso pode não ser positivo. Quantas vezes deixamos de apreciar o momento ou contemplar verdadeiras obras de arte da natureza? O festival Tsukimi é um ritual que propõe uma atitude bem diferente dessa. O momento de admiração à lua é tranquilo, silencioso e introspectivo. O festival gira em torno da celebração da lua cheia mais bonita do outono japonês. A lua, acredita-se, possui poderes e energia espiritual, por isso ela é enaltecida. O Tsukimi (🎑)é um momento para expressar gratidão e esperança.

Nesse texto, vamos falar sobre o Tsukimi e propor práticas simples para a gratidão e a felicidade!

aorigem do ritual

Tsukimi é um festival milenar. A tradição, de origem chinesa, foi incorporada aos costumes japoneses durante o período Heian (794-1192), por aristocratas e pessoas da realeza. O ritual incluía a leitura de poemas e a composição de músicas em homenagem à lua. Muitas vezes, a elite se reunia em embarcações para admirar o reflexo da lua nas águas do mar. Atualmente, o Tsukimi ainda preserva o caráter de veneração, respeito e reflexão.

O contexto

A melhor ocasião para observar a lua é na décima quinta noite do oitavo mês do calendário lunar. No calendário gregoriano, o festival da lua cheia de outono acontece entre o fim de setembro e início de outubro. Este período coincide com o fim das colheitas. Neste ano, acontece hoje, dia 01 de outubro. A lua desse dia, considerada a mais bela e brilhante do ano, é conhecida como “lua do meio do outono”. Nesta data, as pessoas se reúnem, em pequenos grupos, em locais onde a lua é mais visível, em varandas ou jardins. O ritual também pode acontecer em espaços de cerimônia do chá. Esses lugares são decorados com flores de outono e capim-dos-pampas, a planta, bonita e elegante, é uma oferenda à lua, como sinal de agradecimento. Depois do ritual a planta é levada para dentro de casa, como um amuleto de proteção.

as comidas tradicionais

Durante o Tsukimi, alguns alimentos típicos são servidos como oferendas à lua. Também decorativos, Tsukimi-dango são pequenos bolinhos de arroz branco dispostos em forma de pirâmide em uma bandeja. Bolinhos de arroz doce conhecidos como mochi, símbolo de felicidade e boa saúde, são ornamentados ou esculpidos em formato de coelho. O coelho é o maior símbolo da tradição Tsukimi.  Outros alimentos sazonais são cuidadosamente organizados, tais como como castanhas e batata doce, edamame e saquê. A refeição é apreciada e compartilhada como uma expressão de gratidão pelas colheitas.

 Um momento de gratidão

O ritual Tsukimi é marcado pelo silêncio, paz e introspecção.  O momento de ver a lua leva à reflexão e à gratidão. O que essa tradição pode nos ensinar? O Tsukimi pode nos inspirar a criar hábitos de gratidão associados à lua. A gratidão está intimamente relacionada à felicidade, pois gera um sentimento de bem estar. É muito comum associarmos a felicidade a conquistas futuras, realizações que estão por vir. Assim, sempre empurramos a felicidade para depois, ela se torna muito mais uma expectativa a ser cumprida do que um sentimento que nos preenche. Ao sermos gratos deixamos de nutrir a esperança de felicidade e somos felizes no aqui e agora.

O líder religioso japonês Masaharu Taniguchi ensina:

Expresse gratidão com palavras e atitudes. Sua vida mudará muito de modo positivo.”

Por isso, listamos 3 rituais para a gratidão pelas pequenas coisas:

  1. Escreva um diário: ao invés de ficar imaginando o que você precisa fazer ou alcançar, atenha-se ao que você já fez, ao que você conquistou e às pequenas vitórias diárias.
  2. Prepare um momento para apreciar sua própria companhia. Acenda uma vela de jasmim.  Prepare um chá relax, ele ajuda a acalmar e relaxar, alivia o estresse, combate a ansiedade. Concentre-se em você, seja grato pelo por este instante de paz.
  3. Aprecie a lua e relembre sua história. A versão de você de cinco ou dez anos atrás estaria orgulhosa do que você se tornou hoje, de sua caminhada. Quantas vezes você fez seu melhor dentro das possibilidades que tinha naquele momento? Você é a sua melhor versão de si mesmo!

O chá pode ser reinfusionado algumas vezes isso já falamos muito. Mas mais do reutiliza-lo como chá há mil outras maneiras de você usá-lo nas suas receitas.

Como diz a mestra do reaproveitamento dos alimentos, a Liz Cereja da Enoteca SaintVincet, temos que reaproveitar o que já foi reaproveitado até o máximo.

O nosso blend de maçã turca e capim limão chamado Istambul além de render algumas infusões, quentes, pode ser gelado também o adoçante natural da maçã permite você depois utilizarlo de novo em bolos, pães e tudo o que sua criatividade permitir.

Segue uma das idéias feitas com a infusão depois de ser servida 3x quente.

Chutney do blend Istambul com manga e especiarias.

Chutney é uma receita tradicional indiana que leva muitas especiarias e pode ser complemento de um peixe e ou calda para uma sobremesa.

Nessa o que utilizamos:

  • 1/2 manga
  • 02 maças pequenas picadas
  • Suco de 1/02 limão
  • 02 colheres do blend de Istambul já utilizado;
  • 03 sementes de Cardamomo
  • 5 cravos da Índia
  • 03 colheres de açúcar orgânico
  • Uma colher  de chá de rooibos ( arbusto africano puro e orgânico) que já tinha sido usado.

Deixar 30 min em fogo baixo em uma panela até as frutas ficarem um pouco cristalizadas.

Dura na geladeira um tempão;

Se não for utilizar logo o chá reinfusionado pode congelar num potinho até saber o que fazer. Isso serve para todos os blends e ou chás puros. Aproveite -os ao máximo depois mesmo dar terceira infusão para fazer caldos, sopas, bolos, pães e principalmente um chá gelado de várias horas na geladeira.

Bom nem preciso comentar que o Chutney ficou com o toque cítrico e dá vontade de comer puro de tão incrivelmente bom pelos aromas e especiarias.

Comente aqui se achas viável e prático reutilizar as infusões de chás?

Bisou.

Tânia Rampi

Sommèliere de chás e Tea Blender

Fundadora da marca Tea Road

Na mesa, o chá pode ser elegantemente harmonizado com comidas doces e salgadas, substituindo outras bebidas menos saudáveis na hora da refeição, mas proporcionando ainda assim uma experiência sensorial memorável.

Chás brancos, verdes e tisanas leves, sem especiarias

 A leveza destes chás e as suas notas macias e acetinadas pedem harmonizações menos fortes. Assim, são chás que podem ser servidos com frutas, vegetais grelhados ou salteados, saladas de folhas, peixes, frutos do mar, carnes brancas, queijos leves e molhos leves de toque cítrico. No capítulo doce, deve optar-se por sobremesas de doçura sutil, sem gordura, e geléias de fruta pouco adoçadas.

Chás pretos, rooibos e tisanas mais intensas

Com sabores mais robustos, estes chás permitem harmonizações mais contundentes, mais calorosas: carnes, pães, queijos mais fortes e picantes, ovos, molhos mais temperados. No que respeita a sobremesas, equilibram a intensidade de iguarias mais untuosas à base de chocolate, doce de leite, castanhas, caramelo, frutas em calda, compotas.

Texto: Mônica Costa

Considerado por milhares de anos, no Oriente, como uma chave para a boa saúde, felicidade e sabedoria, o chá sempre manteve seu status de uma das bebidas melhores bebidas que se tem notícia. Estudos já confirmaram que os benefícios vão desde prevenção do câncer à redução de índices de colesterol. Perda de peso e melhora no sistema digestivo também estão na lista. Confira quais as variações da bebida que são mais aconselhadas por especialistas

Chá preto 

Representa cerca de 75% do consumo de chá em todo o mundo. É feito a partir de folhas da planta Camellia sinensis, que normalmente são laminados e fermentado, em seguida, secas e triturados. O chá preto tem um sabor ligeiramente amargo e contém o maior número de cafeína – cerca de 40 miligramas por copo. Por ter uma alta concentração de compostos antioxidantes conhecidos como theaflavins e tearubiginas, têm sido associado a menores níveis de colesterol. Uma pesquisa publicada em 2013 na revista “Annals of Epidemiology” apontou que quem bebe três ou mais xícaras de chá preto por dia pode reduzir o risco de derrame em 21%. 

O chá preto é muito conhecido e difundido na Inglaterra, e chegou até nós através dos imigrantes europeus. 

A tradição inglesa é de tomá-lo com leite e açúcar, combinado também com damasco, mas você o encontra puro facilmente, ou combinado também com outras ervas e frutos. 

O chá preto se assemelha ao chá verde em diversos aspectos, principalmente porque eles são originários da mesma planta: Camellia sinensis. A única diferença é que o pó do chá preto é torrado, e isso dá a ele um gosto mais suave. 

São muitos os pontos positivos do chá preto para o nosso corpo: ele possui propriedades anti-inflamatórias e ajuda diversas funções em nosso organismo.  

Além disso, este chá também tem propriedades adstringentes, ou seja, é ótimo para a pele. 

O chá preto é um tipo de chá medicinal obtido por meio da planta Camellia sinensis, popularmente conhecida como chá verde. Essa variação mais oxidada do chá também é conhecida como chá vermelho, hóngchá (chinês), kocha (japonês) e hongcha (coreano). 
 
A diferença do chá preto para o verde, branco e chá de oolong se dá pelo fato de que o chá preto é mais oxidado que os demais chás e possui sabor mais forte. Em alguns países, é muito comum tomar chá preto com adição frutas cítricas e/ou as respectivas cascas dos frutos, como laranja ou limão, ou em conjunto com especiarias. O chá preto com canela é geralmente feito a partir de chá orgânico preto, lascas de canela orgânicas, além de outros ingredientes. Em conjunto com a canela, pode maximizar os efeitos para perde de peso, vez que a canela possui benefícios para emagrecer e controlar o diabetes. O chá preto também possui a capacidade de desintoxicar o corpo de substâncias químicas nocivas, vez que é rico em polifenois (possui de 8 a 10 vezes mais polifenois do que a maioria das frutas e vegetais), um tipo de antioxidante natural que ajuda a eliminar os radicais livres do organismo. 
 
 
Chá verde 

É chamado de verde porque as folhas da erva sofrem pouca oxidação durante o processamento, o que não acontece com as folhas do chá preto. Por isso, o sabor é mais delicado. Contém cerca de 25 miligramas de cafeína por xícara. A bebida é rica em compostos antioxidantes chamados catequinas; um subgrupo conhecido como EGCG pode afastar de tudo, desde câncer a doenças cardíacas, de acordo com um levantamento feito pelo Instituto Americano para Pesquisa do Câncer. O trabalho descobriu que cada xícara diária de chá verde consumido pode diminuir o risco de doença cardiovascular em 10%. 

O chá verde é um dos tipos de chá mais conhecidos e utilizados. Uma das grandes vantagens dele é que você pode combiná-lo com diferentes ervas e frutas sem que ele perca o seu efeito. 

Esta é uma grande vantagem, na verdade, porque o chá verde não tem um gosto muito agradável — muitos costumam achá-lo amargo. 

Sendo assim, vale misturar o chá verde com frutas vermelhas, amarelas ou o que você achar melhor. Ele é encontrado de várias maneiras em qualquer supermercado. 

Dentre seus benefícios estão suas propriedades antioxidantes. Em outras palavras O chá verde é capaz de retardar o envelhecimento de nossas células e, consequentemente, de nosso corpo e pele. 

Quem toma chá verde combate a formação de rugas e marcas de expressão profundas! Além disso, esse chá tem propriedades para evitar até o câncer.  

É válido lembrar que esse chá possui cafeína, então, ele serve também para dar muita energia para o começo do seu dia, podendo inclusive substituir o café. 

Chá de Oolong 

As folhas de Oolong dão origem a um produto semelhante ao chá preto, mas é fermentado por um tempo mais curto, o que lhe confere um sabor mais rico. Ele contém cerca de 30 miligramas de cafeína por xícara. A bebida pode ajudar na perda de peso, pois ativa uma enzima responsável pela dissolução de triglicérides. Estudos recentes chegaram a confirmar que as mulheres que beberam chá oolong queimavam um pouco mais de calorias durante um período de duas horas do que aqueles que beberam apenas água. 

Chá branco 

As folhas são colhidas quando são muito jovens, então, o chá branco tem um sabor muito mais suave do que qualquer outro. O nível de cafeína também é bem menor: cerca de 15 miligramas por copo. A bebida também pode conter mais antioxidantes do que o chá em saquinhos, porque as folhas são menos processados. O chá branco oferece grandes benefícios cardiovasculares e de combate ao câncer. Além disso, um estudo publicado na revista Phytomedicine apontou que a bebida pode apresentar boa ação no combate à diabetes. Ela reflete uma tolerância à glicose e uma redução no colesterol LDL. 

O chá branco é um dos mais conhecidos por quem deseja emagrecer, e isso faz realmente muito sentido quando você descobre as propriedades que ele oferece. 

Também parente do chá verde e do chá preto, ou seja, mais um “chá colorido”, o chá branco é feito pelos brotos da Camélia, e é um excelente combatente das doenças degenerativas por conta de suas características antioxidantes. 

Além disso, ele possui grandes quantidades de cafeína, e por isso ajuda tanto no processo de emagrecimento – afinal, ele ajuda a acelerar muito o seu metabolismo. 

Além de tudo isso, o chá branco também é conhecido por melhorar o humor de maneira geral, devido a substâncias que desencadeiam o aumento dos níveis de dopamina e serotonina, por exemplo. 

Este chá também auxilia na oxidação do colesterol, diminuindo os níveis dele e, consequentemente, o risco de doenças cardiovasculares. 

Chá Vermelho Pu-erh 

A bebida chinesa é tradicionalmente compactada e envelhecida por pelo menos alguns anos antes de ser consumida, sofrendo uma pós-fermentação que lhe dá um sabor mineral característico. Os principais benefícios que apresentam estão relacionados a propriedades digestivas. Isso é possível por meio de um duplo mecanismo: estimula as secreções gástricas, ao mesmo tempo em que favorece o funcionamento hepático. O chá também incide positivamente sobre o controlo de colesterol e triglicerídeos no sangue. 

Dia 21 de abril se festeja no Reino unido o National Tea Day, uma efémeride que tem como objetivo não só celebrar a tradição , mas também transmitir às novas gerações o hábito de tomar chá e mais conhecimento sobre os diferentes chás de diversas proveniências. Entretanto, em Inglaterra, o chá prosseguia a sua conquista do Ocidente.
A época vitoriana ficou conhecida como a “civilização do chá” (o reinado da Rainha Vitória durou de 1837 a 1901), não só porque a monarca era uma verdadeira entusiasta da bebida, como os preços foram decaindo devido à rapidez do transporte (com os clippers), ao fim do monopólio do comércio da East India Company e à própria revolução industrial, que com todas as mudanças sociais que impôs, facilitou o acesso de vários estratos a produtos até então considerados de luxo. Os trabalhadores alcançam a regalia de duas pausas no trabalho, uma a meio da manhã, outra a meio da tarde, quando tomam uma xícara de chá com açúcar e comem um sanduíche, para renovar as energias, hábito que até hoje se mantém. Já as classes mais abastadas encontram no chá motivo para mais uma refeição. O chá das cinco ganha um novo esplendor, mas todas as horas são pretexto para uma xícara: o breakfast tardio, o almoço leve, o high tea do final da tarde, o chá das 10 antes de dormir. Esta é também uma época de forte propaganda contra as bebidas alcoólicas e a família é uma peça mestra na sociedade vitoriana – é na intimidade do lar que as mulheres comandam o ritual do chá, que serve de vínculo entre os elementos da família… e mantém os homens longe do pub.